Divulgação, minplanpac/Flickr

Tamanho da fonte: -A+A

A gaúcha Altus, fabricante de painéis de controle e automação, vai receber R$ 51,8 milhões do BNDES para expandir sua capacidade produtiva e ter maior capital de giro, dentro do BNDES P&G, focado na indústria de petróleo e gás.

A companhia também receberá aporte de capital por parte da BNDESPAR.

O apoio do BNDES equivale a 70% do investimento total previsto no plano de negócios da empresa, com sede no Tecnosinos, em São Leopoldo.

Contratos recentes na área que é alvo do BNDES P&G pesaram na aprovação.

PROJETOS DE PESO
Em junho de 2011 a Altus fechou um contrato de R$ 115 milhões da Petrobras.
 
O maior negócio da história da companhia gaúcha envolve a tarefa de automatizar as oito plataformas da Petrobrás a se originarem dos oito cascos já em produção na cidade de Rio Grande.
 
É a primeira vez que uma negociação do gênero envolve oito plataformas de uma só vez, o que, segundo o presidente da Altus, Luiz Gerbase, pode se configurar como o maior contrato de automação do mundo.
 
Na licitação, pesou a favor da empresa gaúcha seu percentual de inteligência e tecnologia nacional: o edital exigia 10% na primeira e 80% na última plataforma, ao que a Altus respondeu com 90% desde o princípio.

No mesmo mês, a empresa também foi contratada, no valor total de US$ 8,25 milhões, para automação da P-58 e da P-62, as duas novas plataformas de petróleo em construção pela Petrobras.

As estruturas são destinadas à Bacia de Campos e atualmente sendo montadas em Rio Grande, no Rio Grande do Sul, e em Suape, em Pernambuco, terão capacidade para 360 mil barris de petróleo por dia quando entrem em operação, em 2013 e 2014, respectivamente.

BNDES NO ÓLEO E GAS
Com esta operação, o programa criado pelo BNDES há menos de um ano já reúne carteira com 19 operações, no valor de R$ 1,48 bilhão em financiamento, equivalente a R$ 2,49 bilhões.

Desse total, duas operações estão contratadas: a da Georadar (localizada em Minas Gerais), de serviços sísmicos, no valor de R$ 143 milhões; e da Ruhrpumpen do Brasil, fabricante de bombas hidráulicas, com projeto para a instalação de sua primeira unidade fabril no País, em Duque de Caixas (RJ), que receberá crédito de R$ 12,8 milhões.

As demais operações em carteira estão em diferentes estágios no BNDES: em análise pela área operacional, enquadradas para análise ou, ainda, aguardando o enquadramento.

A estimativa do Departamento da Cadeia Produtiva de Fornecedores de Petróleo e Gás do Banco é que o programa desembolse este ano cerca de R$ 750 milhões, valor que supera as expectativas, dado o ainda curto período de vigência da linha de financiamento.

O Programa BNDES P&G é voltado para empresas de todos os portes que integrem ou venham a integrar a cadeia de fornecedores de bens e serviços ao setor de óleo e gás e prevê condições especiais, inclusive para as micro, pequenas e médias empresas, que respondem por  cerca de 85% do universo de firmas atuantes nesse setor.

Com orçamento de R$ 4 bilhões e vigência até 31 de dezembro de 2015, o BNDES P&G tem como objetivo buscar soluções para alguns dos entraves à competitividade e ao desenvolvimento do setor.

O foco é atacar a dificuldade de acesso ao crédito, o custo de capital e o acesso à tecnologia.