Alfredo Polito Neto. Foto: divulgação.

A InfoA2, integradora paulista especializada em projetos Oracle e SAP, anunciou um crescimento de 5% em seus negócios durante 2015, focado em investimentos em novas linhas de negócio.

A companhia, que tem unidades em São Paulo, Barueri, Curitiba e Campo Largo (PR), fechou o ano com uma receita na casa dos R$ 17 milhões, impulsionado por incrementos nas áreas de desenvolvimento de aplicações e SAP.

O crescimento ficou abaixo da estimativa traçada pela companhia em meados do ano passado, quando investiu em novas frentes para buscar um aumento de 10% a 15% em sua operação. Em 2014, a empresa teve um crescimento de 25%.

Por outro lado, segundo os executivos da empresa, em 2015 a operação focou a redução de custos e aumento de produtividade, resultado em um aumento de 60% em sua lucratividade.

De acordo com Ana Carolina Almeida, sócia-diretora da companhia, a companhia aumentou a sua base de clientes SAP, que agora representa cerca de 35% do faturamento geral da companhia.

"Tivemos um crescimento considerável de nossa célula SAP durante o ano, com um foco acentuado em nossa operação de sustentação de operações (AMS), que queremos dobrar em 2016", destaca a executiva.

A parte Oracle ainda ocupa a maior parte dos negócios da Info A2, com cerca de 55% dos rendimentos. Entretanto, o plano da companhia é expandir os 10% restantes, que vem das partes de serviços, fábrica de software e outras companhias que a integradora trabalha, como Sage XRT e NSI.

No ano passado, a companhia chegou a anunciar investimentos para a expansão de expansão geográfica para suas fábricas de software, com o Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul na mira. Entretanto, segundo o diretor da empresa, Alfredo Polito Neto, o cenário econômico não favoreceu esta manobra.

"Resolvemos continuar com nossa operação de desenvolvimento em São Paulo e Curitiba, atendendo nossos clientes nacionais de forma remota", explica o executivo.

Para 2016, a empresa está estruturando uma nova vertical de TI voltada para a área de logística, a A2 Teclog, cuja operacionalização deverá ser concluída neste primeiro semestre.

"Acreditamos que esta nova vertical será um dos principais vetores de crescimento da empresa no futuro. Em 2016, estimamos um aumento de 15% em nossa receita", afirma Polito.