Marcello Azambuja, diretor do Tech Center da Uber no Brasil. Foto: Luciana Aith.

Preocupada com os índices de violência da América Latina, a Uber está fazendo um investimento forte em novos recursos para melhorar a segurança do uso do aplicativo na região.

Entre eles, está a verificação dos documentos via scanner para passageiros que optarem pelo pagamento em espécie.

A nova função foi construída pela equipe brasileira da Uber com base no U-Check, uma plataforma criada pela equipe do Brasil que foi a primeira tecnologia feita no país a ser adotada em nível mundial pela empresa.

Lançada em julho deste ano, a U-Check começou com a validação das informações do usuário via Cadastro de Pessoa Física (CPF), utilizando dados do Serasa Experian.

“Neste caso, por exemplo, faz mais sentido ter autonomia no Brasil, fazendo essa integração com um engenheiro que está aqui, que fala português, está no mesmo fuso horário e entende o que é Serasa e o que é um CPF”. explica Marcello Azambuja, diretor do Tech Center da Uber no Brasil, que conversou com exclusividade com a reportagem do Baguete durante um evento da empresa nesta semana em São Paulo.

Como a plataforma permite a construção de verificações adicionais, o próximo passo será a checagem de documentos via scanner. 

O recurso já está sendo testado no Chile e a previsão de chegada ao Brasil é para o primeiro trimestre de 2020, ainda sem data definida.

No Brasil, os documentos aceitos devem ser Carteira de Identidade, Carteira Nacional de Habilitação e Passaporte. 

De acordo com Azambuja, a integração com essa base de dados ainda está sendo implementada no país e a cidade piloto brasileira não está definida. 

O Tech Center brasileiro da Uber foi anunciado em dezembro do ano passado e deverá receber, ao longo dos próximos quatro anos, investimentos na ordem de R$ 250 milhões.

Durante o evento, também foi anunciado o aumento do seu time, com cerca de dez contratações dedicadas à segurança do Uber Eats, vagas que estão sendo fechadas agora e significam um aumento de 30% na equipe.

Com a maior parte das contratações formada por engenheiros, a equipe também contará com cientistas de dados e gerente de produto.

As entrevistas foram feitas com o apoio de engenheiros dos Estados Unidos, buscando contratar um número grande de pessoas em uma mesma semana.

 

NOVOS RECURSOS

A maior parte dos projetos lançados no Uber Destino 2019 foi feita em conjunto por engenheiros de São Paulo e de São Francisco, de acordo com Azambuja. 

É o caso da gravação de áudio, também inédita no mundo, onde havia mais profissionais envolvidos no Brasil do que na cidade americana.

No recurso, tanto os motoristas quanto os usuários terão a opção de gravar o áudio da viagem caso se sintam desconfortáveis com alguma situação. 

A função será ativada através de um botão na central de Segurança do aplicativo e o conteúdo é criptografado, ficando armazenado no telefone de quem fizer a gravação.

A Uber afirma que só terá acesso aos áudios caso eles sejam enviados para a empresa e, neste caso, o arquivo pode ser utilizado em investigações ou compartilhado com as autoridades, nos termos da lei.

Outro novo recurso anunciado foi a verificação da identidade do motorista via selfie em movimento, verificação que já existia, mas era com foto comum.

A nova funcionalidade pede que o motorista faça alguns movimentos, como piscar, sorrir e virar o rosto, para garantir que a selfie é ao vivo.

Haverá também um recurso com PIN para verificação da viagem. O usuário poderá optar por receber uma senha de quatro dígitos, que deve ser dita ao motorista para que ele consiga iniciar o trajeto no aplicativo.

Além disso, a Uber anunciou que está trabalhando com a tecnologia de ultrassom para transmitir automaticamente esta senha. O recurso está sendo desenvolvido no Tech Center de São Francisco.

“É uma onda eletromagnética que a gente não consegue escutar, mas o celular emite e o microfone consegue gravar, então ele substitui o PIN de uma forma automática, só de os celulares estarem próximos” explica Azambuja.

Outra nova ferramenta é a checagem de rota, via GPS, que sinaliza quando há uma parada muito longa não prevista na viagem, por exemplo. 

Neste caso, a Uber afirma que pode iniciar uma checagem, enviando mensagens para o motorista e para o usuário perguntando se é necessário algum suporte. 

Segundo a Uber, a previsão é que a implantação ocorra em todo o país nas próximas semanas. 

Outra grande demanda dos motoristas brasileiros, a opção de não receber chamados para viagens com pagamento em dinheiro, está sendo testada há alguns meses em cidades do Brasil, mas a Uber não informa a previsão de lançamento do recurso.

Para o México, foi anunciado que o app terá um botão de ligação para a polícia, que também compartilha a localização com as autoridades. Segundo a empresa, a iniciativa poderá se expandir para outros países. 

Há duas semanas, também foi anunciado no Brasil o U-Elas, recurso que permite às motoristas transportarem somente usuárias mulheres.

“Como mulher, entendo os desafios que enfrentamos no dia a dia e queremos que o deslocamento não seja mais um deles. Continuaremos a auxiliar no empoderamento econômico e seguir na prevenção à violência de gênero”, ressaltou Cláudia Woods, presidente da Uber no Brasil. 

Em setembro, a companhia também lançou um recurso para alertar motoristas e usuários sobre a presença de ciclistas. 

O recurso, presente em 17 cidades na América Latina, já está funcionando em São Paulo e no Rio de Janeiro.

O Brasil é o segundo maior mercado da Uber, representando 8,5% da receita global da companhia. 

São 22 milhões de usuários ativos no país, que têm o app instalado e estão realizando viagens continuamente, além de 600 mil motoristas e mais de 2,6 bilhões de viagens realizadas em cinco anos.

*Luana Rosales viajou a São Paulo para o Uber Destino 2019 a convite da Uber.