Medida é uma reação das empresas contra a invasão de agências governamentais e hackers.

O Yahoo e o Google anunciaram que irão unir esforços para criar um sistema de e-mail seguro que pode impossibilitar que hackers ou funcionários governamentais decifrem as mensagens de usuários, ou até mesmo os provedores de e-mail. O projeto deve ser lançado até o ano que vem.

Segundo o Wall Street Journal, se as empresas forem bem-sucedidas, esse poderá ser um primeiro passo no desenvolvimento de tecnologia avançada para a privacidade dos usuários. 

A medida é também uma reação das grandes companhias de tecnologia para reforçar suas defesas contra a invasão de agências governamentais e hackers. O movimento precede as as denúncias de Edward Snowden, ex-analista da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA) que mostrou a existência de um programa de espionagem em massa.

O Yahoo e o Google dizem que a ferramenta de criptografia será um recurso opcional que os usuários terão que instalar. A ferramenta irá contar com uma versão de criptografia PGP, uma maneira de "embaralhamento" de dados longamente testada e que ainda não foi quebrada. 

Ao contrário dos serviços de e-mail tradicionais, que dependem de empresas de tecnologia que tem a posse de senhas e nomes de usuários das contas, o PGP depende que o usuário tenha sua própria chave de criptografia armazenada no notebook, tablet ou smartphone.

Tradicionalmente, o recurso se mostrou difícil de usar. Não há nenhuma função de redefinição de senha e os usuários têm que passar por várias etapas para enviar e-mails.

Christopher Soghoian, pesquisador de segurança e privacidade no American Civil Liberties Union, disse que Yahoo e Google estão tomando providências iniciais no sentido de tornar a tecnologia mais fácil para os consumidores normais. Executivos de ambas as empresas esperam que poucos usuários adotem a tecnologia imediatamente.

Em uma entrevista na conferência de segurança Black Hat, o chefe de segurança da informação do Yahoo, Alex Stamos, reconheceu desafios em trazer essa ferramenta para o público em geral. 

O Yahoo alterou seu processo de e-mail para que os usuários que adotem a criptografia digitem mensagens em uma janela separada, impedindo até mesmo o Yahoo de ler os e-mails. Stamos disse que sua equipe está testando maneiras de colocar as chaves de criptografia em dispositivos móveis. 

Em junho, o Google já havia anunciado planos para desenvolver um e-mail à prova de espionagem. A união com o Yahoo é importante porque as duas empresas têm acesso a um grande número de usuários de e-mail — o Google conta com 425 milhões de usuários únicos do Gmail, enquanto o Yahoo tem 110 milhões.

A Microsoft, que oferece o Outlook.com como serviço gratuito, também já afirmou que está trabalhando para incorporar tecnologias de criptografia no serviço.