FUTURO

Ceitec parte para o ataque

08/04/2019 08:50

Estatal de chips instalada em Porto Alegre anuncia acordo com a Pirelli.

Ministro Marcos Pontes recebeu o CEO da Pirelli, Roberto Falkenstein. Foto: MCT.

Tamanho da fonte: -A+A

O Ceitec, estatal de chips do governo federal sediada em Porto Alegre e alvo da agenda desestatizante de parte da administração Bolsonaro, partiu para o ataque, em uma movimentação pública para mostrar a sua pertinência.

Na sexta-feira, 05, representantes do Ceitec e da Pirelli estiveram em uma reunião com o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, apresentando um projeto de uso de chips da estatal para funcionalidades de Internet das Coisas em pneus.

Rastreio, identificação, conectividade e geração de dados para acompanhamento de desempenho do produto estão entre algumas das funcionalidades da solução conjunta, que já se tornou uma patente registrada.

A meta é iniciar a oferta dessas soluções ao mercado ainda em 2019 para determinados modelos de pneus.

A nota publicada sobre o assunto no site do Ministério da Ciência e Tecnologia, no entanto, não traz nenhuma informação mais prática que permita especular o tamanho do projeto, como volume ou complexidade dos chips a serem entregues, ou o modelo de negócio da iniciativa.

A reunião no MCT acontece pouco menos de uma semana depois do secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, dizer em entrevista para a revista Veja que Júlio Semeghini, secretário executivo do Ministério de Ciência e Tecnologia, “não quer privatizar nenhuma das estatais da pasta”.

A entrevista foi sobre as dificuldades em emplacar a agenda privatizante de Mattar e do ministro da Economia, Paulo Guedes. Semeghini e o MCT foram os únicos opositores citados nominalmente.

Mattar também falou indiretamente do Ceitec: “Existem casos como o de uma estatal que deveria produzir um chip para monitorar os rebanhos. O tal chip, que é instalado na orelha do boi, nem é produzido no Brasil”. 

Quando do anúncio da reunião do Ceitec para lançar o acordo com a Pirelli, sites especializados como o Tele Síntese tiraram a conclusão óbvia que se tratava de uma ação de relações públicas da estatal usando o ministério (o que, aliás, é legítimo e parte do jogo).

O Ministério da Ciência e Tecnologia reagiu, disparando uma nota dizendo que a reunião já estava marcada há um mês e que o desenvolvimento do projeto já vinha de um ano. Por tanto, tenta convencer o MCT, a reunião não tem nada que ver com a entrevista de Mattar para a Veja (desconversar também é legítimo e parte do jogo). 

Na divulgação do site do MCT, o texto realça que o tempo de trabalho conjunto do Ceitec com a Pirelli já aumentou para dois anos.

A verdade é que tanto faz a quanto tempo o trabalho vem sendo feito ou desde quando a reunião estava marcada. Quem o ministro recebe e com quem ele decide tirar fotos são decisões políticas que servem para expor posicionamentos (o que, de novo, é legítimo).

No site do Ceitec, por exemplo, está em destaque notícia divulgada no dia 10 de janeiro, quando o ministro Pontes visitou a estatal e fez uma foto com a diretoria. 

Essa visita aconteceu pouco menos de uma semana depois do Ceitec foi dado como um caso terminal pelo Estadão, que afirmou que a empresa deveria ter as portas fechadas até março, quando todos os funcionários serão demitidos e os ativos vendidos.

Ainda segundo o Estadão, a chamada liquidação deveria ser aprovada pelo conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), colegiado formado por ministérios e bancos públicos, além da Presidência da República, em uma reunião em fevereiro.

Fevereiro e março vieram e passaram e não há notícias que o Ceitec tenha encerrado suas atividades. Talvez a reunião não tenha acontecido, talvez tenha acontecido e o nome do Ceitec não foi apresentado. 

Talvez a exposição inicial do Ceitec tenha sido um movimento estratégico por parte da ala privatista do governo, para conseguir começar a política de fechamento e privatização de estatais em algum lugar, de preferência onde as resistências fossem baixas.

O Ceitec tem exatamente esse perfil: parte da política industrial dos governos petistas para a área de semicondutores, a empresa existe por meio de subsídios de Brasília, que totalizam desde 2008 a cifra R$ 1,08 bilhão, dos quais R$ 400 milhões foram na construção e outros R$ 680 milhões em outros investimentos e custeio.

As movimentações de Semeghini e a dificuldade do governo de articular uma política consistente podem garantir a continuidade das operações do Ceitec no curto e médio prazo, mas a verdade é que mudanças são necessárias se a empresa quer ter um futuro a longo prazo.

O Ceitec está mais ou menos à deriva desde o impeachment da presidente Dilma e a crise econômica, quando sumiram o incentivo político e o dinheiro para a ideia de transformar o Brasil em um polo de desenvolvimento de semicondutores (Eike Batista chegou a anunciar planos bilionários na área).

Mesmo durante as administrações petistas, que federalizaram a estatal em 2008, colocando-a sob a alçada do Ministério de Ciência e Tecnologia, já havia discussões mais ou menos abertas sobre o propósito de seguir investindo.

Em 2013, foi discutida publicamente a possibilidade de venda de parte de empresa, deixando o governo como sócio de uma PPP gerida pela iniciativa privada.

Ainda em 2009, o então presidente do Ceitec, Eduard Weichselbaumer, disse publicamente que a empresa só seria bem sucedida se fosse privatizada.

Weichselbaumer, um executivo alemão que foi o único profissional vindo da iniciativa privada para comandar o Ceitec, acabou saindo da empresa em 2010, em meio a choques com o Ministério de Ciência e Tecnologia.

Veja também

FUTURO
Lançada Câmara Brasileira da Indústria 4.0

Novo governo sinaliza continuidade em torno de um tema que está em alta.

RUMOS
Volkswagen coloca as fichas na AWS

Montadora vai conectar 122 fábricas ao redor do mundo em um só sistema.

CHIPS
Ceitec segue vivo e pode escapar

Estatal não foi fechada. Ministério de Ciência e Tecnologia não quer privatizar.

FALEM COM O CHEFE
Pontes: Bolsonaro decidirá sobre Huawei

Ministro de Ciência de Tecnologia lavou as mãos na briga Huawei x Estados Unidos em Barcelona.

ESTRATÉGIA
Debate sobre nuvem chega na Justiça

Mega contrato do TJ-SP com a Microsoft é suspenso, mas nada está decidido ainda.

PRIVATIZAÇÕES
Serpro e Dataprev com os dias contados?

Salim Mattar diz que quer “vender ou fechar” as duas estatais de processamento de dados.

PRIVATIZAÇÃO
Caixa vai vender subsidiárias

Anúncio é o primeiro grande passo do governo em vender ativos.

VAI OU NÃO?
Pontes faz defesa morna do Ceitec

Ministro de Ciência e Tecnologia diz que assunto ainda não está decidido.

RESULTADOS
Serpro se mexe para salvar o couro

Estatal federal de processamento de dados divulga resultados antecipadamente.

RANKING
Ceitec tem melhora na governança

Futuro da fábrica de chips é uma incógnita em meio aos planos de privatização do governo federal.

GOVERNO
Brasília: comitê foca Internet das Coisas

O comitê é coordenado pela Secretaria de Política de Informática do Ministério de Ciência e Tecnologia.

CONEXÃO
Vivo lança rede NB-IoT em Chapecó

Nos próximos meses, a empresa planeja oferecer a rede NB-IoT em todas as capitais.

TENDÊNCIA
Datainfo lança laboratório de inovação

O projeto do LABs vem sendo desenhado e construído há 1 ano.