A emissora de cartões de crédito digital Nubank recebeu US$ 80 milhões em novo aporte. Foto: Divulgação.

A emissora de cartões de crédito digital Nubank acaba de arrecadar US$ 80 milhões em uma nova rodada de investimento. O aporte foi liderado pela DST Global, empresa de capital de risco que já apoiou empresas como Alibaba, Slack, Twitter, Spotify e Facebook. 

Esse investimento é o primeiro realizado pela DST no Brasil. A rodada também inclui investidores que já aplicaram capital no Nubank, como Sequoia, Tiger Global, Founders Fund e QED. O Nubank também foi, no passado,o primeiro investimento na América Latina de Sequoia, Founders Fund e QED.

Somente em 2016, o Nubank já conquistou um aporte de US$ 50 milhões (em janeiro) e uma captação de R$ 200 milhões em duas linhas de crédito com o Goldman Sachs (em abril).

Com a nova rodada, a empresa projeta continuar expandindo suas operações com a contratação de profissionais e desenvolvimento de novos produtos.

Criada em setembro de 2014, a startup recebeu outros três investimentos: um aporte inicial para começar o negócio, em julho de 2013; outro investimento logo no lançamento da startup; e um aporte de R$ 90 milhões em 2015.

A empresa não divulga o número total de clientes, mas o fundador, David Vélez, diz que supera com folga o número que acredita ser o padrão atual para outras fintechs, de 150 mil.

Desde sua fundação, a companhia recebeu 7 milhões de pedidos para o cartão. Atualmente, cerca de 500 mil estão na lista de espera, mas o Nubank não aprova todos os usuários que se candidatam.

Até agora, cerca de 75 milhões de compras foram feitas com os cartões do Nubank, de acordo com o TechCrunch. Além disso, a empresa relata que 90% dos clientes pagam o valor total dos boletos mensalmente.

Diferente do cenário que a empresa enfrentava há dois anos, quando foi uma das pioneiras do segmento de fintechs no Brasil, hoje há concorrentes no mercado.

Recentemente, o banco CBSS, joint-venture do Bradesco e do Banco do Brasil, lançou a Digio, uma plataforma digital de cartões de crédito para rivalizar com o Nubank.

Por isso, o Nubank trabalha para lançar novidades. O provável novo produto deve ser um serviço de recompensas em que os clientes você recebe créditos a cada compra para trocar por milhas aéreas e outros produtos.

De acordo com levantamento do FintechLab, existem no Brasil mais de 200 startups de serviços financeiros, que têm influenciado novidades no mercado tradicional. Uma pesquisa da PwC aponta que os executivos de instituições financeiras temem perder cerca de 25% de seus negócios para as fintechs até 2020.