Só que não. Foto: site da Claro.

Tamanho da fonte: -A+A

O diretor do Baguete Diário, Gerson Leonini, foi assaltado a mão armada na quarta-feira, 25, quando teve roubados um iPhone, um iPad e um notebook.

As experiências com o atendimento da Claro nas últimas semanas, no entanto, tem ajudado a relativizar o trauma da experiência, que se foi assustadora, pelo menos também foi rápida e não deixou um  rastro de quatro protocolos e seis horas e meia de ligações telefônicas.

[Nos parágrafos abaixo, vamos compartilhar cada momento – ops! - dessa bonita história. Quem não tiver paciência e só estiver interessado no Bolão, pode pular essa parte].

Os problemas começaram no sábado, 28, com a tentativa de habilitar um novo chip no novo celular na loja da Claro. Problemas no sistema, disseram os atententes, ligue para o 1052.

No domingo, 29 – Leonini demora um dia para se preparar mentalmente para cada contato, o que é uma sábia medida – foi a vez do sistema do 1052 estar fora do ar.

Na segunda-feira, 30, os sistemas acordaram de bom humor e Leonini conseguiu ativar um protocolo, pelo qual sua linha deveria estar operativa em 48 horas.

Passaram-se as 48 horas e nada. Depois de uma nova ligação e a confirmação de um novo cadastro, o diretor do Baguete foi informado sobre a existência de um novo conceito em gestão do tempo: as 48 horas são úteis, disse a atendente.

[Supondo uma jornada de 8 horas de trabalho, elas equivaleriam a seis dias. Seria isso suficiente para habilitar uma linha de telefone? Alguém podia fazer o experimento].

A quarta-feira, 01, marca um dia especial na relação de Leonini com a Claro: pela primeira e última vez, a operadora entrou em contato com ele! Emocionado, o cliente quase deixou passar quando a promessa de que a linha estaria operativa “em seguida” não se concretizou.

Na quinta-feira, 02, a Claro provou ser um desses caras que não ligam no dia seguinte, então Leonini teve que ligar, explicar a situação ao longo de uma hora para o segundo supervisor, abrir o terceiro protocolo e ouvir que o problema seria resolvido “em seguida”.

Na sexta-feira, 03, novo protocolo, nova promessa de solução em 48 horas. Na redação do Baguete, cheia de teóricos da conspiração, começa a surgir a especulação que a estratégia é abrir protocolos em série para sempre, até que algo aconteça ou o cliente desista. A hipótese é nomeada “Protocolo dos Enrolões de Sião”.

Nesta terça, 07, outras 48 horas se esgotaram. Um novo protocolo foi aberto e a solução prometida para 48 horas.

[Atenção, agora vem a parte do bolão!]

Gerson Leonini é uma pessoa que gosta de encarar com bom humor os problemas da vida. Até agora, ele ainda não brigou com ninguém na Claro, o que é um feito a ser destacado.

Por isso, o Baguete Diário decidiu promover o Bolão da Claro! Coloque na caixa de comentários abaixo quantos dias e quantos protocolos mais você acredita que a operadora vai levar para conseguir habilitar uma linha telefônica.

O ganhador leva uma caixa de bombons, entregue no seu local de preferência.

Coloquem a estimativa com o horário de solução do problema para servir como critério de desempate. Sintam-se livres para compartilhar suas próprias histórias de horror, isso ajuda a aliviar o coração.