A Xerox deve alcançar um lucro de US$ 2,3 bilhões com um acordo para vender participações em joint ventures com a Fujifilm. Foto: Divulgação.

A Xerox está considerando fazer uma oferta em dinheiro e ações para adquirir a HP, que um valor de mercado de aproximadamente US$ 27 bilhões. A informação foi revelada pelo Wall Street Journal, que ouviu fontes familiarizadas com o assunto. 

O conselho da fabricante de copiadoras discutiu a possibilidade na terça-feira, segundo a publicação. No entanto, não há uma decisão sobre o negócio.

A HP tem valor de mercado mais de três vezes superior ao da Xerox e qualquer oferta seria muito superior ao preço atual das ações, de acordo com as fontes.

A seu favor a Xerox tem a expectativa de alcançar um lucro de US$ 2,3 bilhões com um acordo para vender participações em joint ventures com a Fujifilm Holdings Corp, anunciada terça-feira juntamente com a dispensa de um processo de mais de US $ 1 bilhão movido contra a Xerox pela empresa japonesa de tecnologia.

Segundo as fontes do WSJ, a Xerox também recebeu um compromisso informal de financiamento de um grande banco.

Um acordo juntaria dois nomes tradicionais que vêm lutando para reorganizar seus negócios. Tanto Xerox quanto HP passam por um momento de corte de custos e uma união pode oferecer novas oportunidades para eliminar despesas.

A Xerox, com sede em Connecticut, produz principalmente grandes impressoras e copiadoras. A maior parte de seu faturamento anual de US$ 10 bilhões vem do aluguel e manutenção dos equipamentos para empresas. 

Já a HP, com sede na Califórnia, vende principalmente impressoras e suprimentos de impressão menores, além de ser uma das maiores fabricantes de PCs do mundo. A empresa registrou receita de mais de US$ 58 bilhões em seu ano fiscal mais recente, encerrado em outubro de 2018.

A empresa de PCs e impressoras é o que resta depois que a Hewlett-Packard dividiu suas operações entre HP Inc e Hewlett Packard Enterprise, que vende servidores, equipamentos de armazenamento de dados e serviços relacionados a clientes corporativos, em 2015.

Com o processo de reestruturação, a HP deve demitir entre 7 mil e 9 mil dos seus funcionários no seu ano fiscal 2020, iniciado em novembro. O movimento tem relação com a saída de Dion Weisler como CEO da empresa. Ele foi substituído pelo ex-chefe de impressão Enrique Lores.