Whitman: impressoras vão para lá. Foto: divulgação.

A HP anunciou um movimento ousado para suas operações, dividindo suas unidades de impressoras e computação pessoal da parte voltada à software e hardware para o segmento corporativo.

Conforme comunicado divulgado pela multinacional nesta segunda-feira, 06, a HP agora se divide em Hewlett-Packard Enterprise, voltada aos clientes corporativos, e HP Inc., para PCs e impressoras.

Segundo destaca o Finacial Times, ao optar por dividir a companhia em dois, a HP volta atrás em sua decisão de manter suas operações unidas, conforme foi divulgada há três anos atrás pela CEO Meg Whitman.

Ao assumir a presidência da companhia, após sair do PayPal, Whitman refutou a possibilidade de desmembrar a divisão de PCs da companhia feita pelo CEO anterior, Leo Apotheker. Entretanto, ela nunca descartou a possibilidade de decisões mais radicais no futuro.

Por falar em decisões radicais da empresa norte-americana, a HP anunciou em maio deste ano um corte de 16 mil empregos como parte da estratégia para a virada da companhia. No total desde a entrada de Whitman, já foram mais de 50 mil demissões.

“A decisão de separar em duas companhias reitera nosso comprometimento para o plano de recuperação da empresa. Ela dará a cada empresa a independência, foco, recursos financeiros e flexibilidade para adaptar rapidamente ao mercado e consumidor, assim como gerar valor para os acionistas", destacou Whitman.

Com a cisão, Whitman será CEO da HP Enterprise, que será responsável pelos negócios de software e hardware para segmento corporativo. Para a divisão de impressão e computação pessoal, Dion Weisler será o chefe executivo. Patricia Russo, diretora da HP e ex-CEO da Alcatel-Lucent, será a presidente do conselho da HP Enterprise.

Do ponto de vista do capital da empresa, acionários passarão a ter papéis de ambas as companhias. O processo de cisão deve ser conclúido no início de 2015.

Conforme analistas, a manobra pode ser o ponto final na história iniciada pela HP ao comprar a Compaq Computer, uma das maiores fabricantes de PCs nos Estados Unidos, em 2001. Na época, a aquisição foi vista com desconfiança por muitos acionistas e rendeu diversas turbulências à empresa, que não conseguiu convertê-la em liderança no mercado.

Nos últimos anos, Whitman teve sucesso em estabilizar as perdas em ambas as divisões. No segundo trimestre de 2014, a unidade de PCs da HP conseguiu pela primeira vez em dois anos estancar a queda em venda de equipamentos, mesmo com um crescimento inferior às concorrentes Dell e Lenovo, atual líder deste segmento.

No último ano fiscal, a divisão de PCs e impressoras da HP teve um faturamento de US$ 55,9 bilhões, valor quase idêntico à da unidade de computação corporativa, que fechou o ano com receita de US$ 55,7 bilhões.

A divisão da HP vem no rastro de outra grande cisão no mercado de TI. Na última semana, o site de e-commerce eBay se separou da plataforma de pagamentos eletrônicos PayPal para os acionistas.

Segundo analistas, ambas as companhias chegaram a este ponto devido à pressões para crescer suas operações e dificuldades em manter suas operações intactas quando unidas, um cenário que caminhou para a divisão das empresas.