Marcos Peigo.

Marcos Peigo deixou o cargo de COO do UOL Diveo, nesta terça-feira, 05.

O executivo anunciou a movimentação em um post no Linkedin, no qual dá a entender que está montando uma nova empresa, sem dar maiores detalhes.

Procurado, o UOL Diveo confirmou a saída e disse que as áreas que até o momento se reportavam ao Peigo serão assumidas pelo CEO Gil Torquato e os demais diretores.

Peigo havia assumido o cargo de COO em agosto de 2015, vindo da posição de diretor executivo da empresa. 

Na ocasião, ele entrou no lugar de Marco Américo, que havia entrado no UOL Diveo quando da aquisição da Diveo, um negócio de  R$ 693,5 milhões anunciado no final de 2010.

Já Peigo era CEO da Solvo, especialista em prestação de serviços de TI  adquirida pelo UOL em 2012.

Nos últimos anos, a UOL Diveo vem perdendo diversos executivos com background de mercado corporativo, oriundos de empresas adquiridas pela empresa.

Outros dois exemplos são Eblen Kalil Neto, fundador da Uni5, uma empresa de integração de supply chain adquirida em 2009, e Ricardo Dortas, um ex-Mercado Livre. Hoje dos dois estão a frente de um fundo de investimentos.

No final de 2014, o UOL divulgou um “novo posicionamento de mercado” visando “consolidar a liderança no mercado de outsourcing de TI”.

A meta era ser uma one-stop shop, com serviços de  plataforma tecnológica, infraestrutura, telecom e serviços integrados, com o diferencial do conhecimento do mercado brasileiro e da presença de um data center local.

Na visão de executivos ouvidos pelo Baguete, o UOL Diveo enfrenta um momento complicado, no qual compete com adversários poderosos em duas frentes diferentes.

Por um lado, o mercado nacional de hospedagem corporativa se sofisticou bastante desde 2010, com a chegada de novos players como Ascenty, a capitalização por meio de fundos de outras companhias como a Alog e a chegada em peso do bicho papão da Amazon Web Services.

No lado de TI, as aquisições em série dos últimos anos não foram consolidadas em uma oferta competitiva frente a gigantes como IBM, Tivit, HP ou Oracle, ou mesmo as ofertas de nicho de Totvs, Neoris e outros.

Para fechar o quadro, empresas como Microsoft, SAP, Oracle instalaram data centers no país nos últimos anos.