Décio Krakauer, presidente da Ramo Sistemas.

A Ramo, maior parceira da SAP para oferta do software de gestão para pequenas e médias Business One no país, acaba de abrir mais uma filial, dessa vez em Fortaleza, no Ceará.

Com isso, a empresa passa a ter presença direta no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Ribeirão Preto, além da sede em São Paulo.

A filial será comandada por Paulo Gurgel, um executivo experiente no mercado de sistemas de gestão, tendo sido gerente de unidade na Fortes, um player regional importante no nordeste, além da operação cearense da Totvs, e, por mais de uma década, da RM Sistemas.

A Ramo acabou um estruturando um ecossistema próprio de vendas para o Business One, atuando na prática como um distribuidor do software no país. 

Hoje, a companhia tem 170 revendas no país do software. Em um nível acima estão 13 das chamadas “unidades de negócio”, parceiros com grande potencial que receberam investimentos da Ramo para ações, mas mantém seus CNPJs.

As filiais devem apoiar as ações dos canais e das unidades, o que no caso da nova operação em Fortaleza inclui Ceará, Piauí, Maranhão e os estados da região Norte, como Amazonas, Pará, Roraima, Amapá, Acre, Rondônia e Tocantins.

A área já tem unidades de negócios em Fortaleza e Manaus e outros 30 canais especializados da Ramo.

“Nossa presença local e atuação mais próxima na região possibilitará entendermos as particularidades das empresas e seus desafios de negócios e ainda poder contar com uma equipe regional com amplo conhecimento do mercado local”, comenta Décio Krakauer, presidente da Ramo Sistemas.

A estratégia vem dando certo para a Ramo, que se aproxima de 1 mil clientes atendidos e se tornou a referência no mercado de B1, um nicho desafiador para a SAP no país.

Apesar de estar no mercado brasileiro desde 2005, o Business One tem uma base de 6 mil clientes, o que seria respeitável para um player local, mas é pouco para o esforço da SAP até agora e frente ao potencial do mercado.

O comando da área de B1 dentro da SAP vem trocando de nomes com frequência.

Em agosto do ano passado, foi contratado Daniel Cabrera, ex-diretor de vendas de aplicações cloud da Oracle. Ele sucedeu Ricardo Blancas, que ficou menos de um ano no cargo. 

Ele sucedeu Priscilla Jones, que ficou três, até ser enviada para São Francisco para trabalhar no programa de trainees de vendas da SAP. O antecessor de Priscilla, Pedro Patrício, também ficou ao redor de três anos no cargo.

Ao longo dos anos, a SAP tentou diferentes abordagens para atingir a massa de clientes potenciais, tentando convencer parceiros tradicionais a abrirem braços focados em B1 e até considerando a criação de um modelo através de distribuidoras.

Em 2017, a SAP decidiu dar um gás para o B1 no ano passado, ao decidir colocar o preço do produto no seu patamar mais baixo desde o lançamento no país, em 2006. A Ramo logo respondeu com sua própria oferta promocional.

No final das contas, o que aconteceu foi que a Ramo consolidou uma posição como uma distribuidora de fato do B1 no Brasil. A empresa faturou R$ 36,5 milhões em 2017, um crescimento de 17% frente ao registrado em 2016.