Atualmente, o CPqD presta serviços tecnológicos para as três Forças Armadas do país. Foto: Divulgação.

O CPqD foi credenciado como Empresa Estratégica de Defesa (EED) pelo Ministério da Defesa brasileiro. A portaria torna o CPqD um parceiro preferencial para o desenvolvimento de projetos estratégicos de TIC na área de defesa.

“Há mais de dois anos estamos consolidando nossa posição de parceria com as Forças Armadas visando a modernização da estrutura de defesa do país com base em tecnologia nacional”, afirma Everton Corrêa, gerente de Defesa e Segurança do CPqD. 

Segundo ele, essa modernização é o principal objetivo da Estratégia Nacional de Defesa, criada pelo Ministério da Defesa, que tem no credenciamento de EEDs um dos seus pontos fortes. 

“Para se tornar EED, no entanto, é preciso que a organização já tenha prestado serviços ou desenvolvido um produto estratégico de defesa para as Forças Armadas”, ressalva Corrêa.

Atualmente, o CPqD presta serviços tecnológicos para as três Forças Armadas do país. Em agosto de 2013, inaugurou o seu Núcleo de Desenvolvimento de Tecnologias de Defesa. Antes disso, já vinha trabalhando em vários projetos nessa área - por exemplo, com o Centro de Análise de Sistemas Navais (CASNAV), da Marinha, ao qual presta serviços desde 2010.

Em janeiro de 2013, o CPqD iniciou o Projeto Rádio Definido por Software de Defesa (RDS-Defesa), que é coordenado pelo Centro Tecnológico do Exército (CTEx). 

Com duração prevista de três anos, o RDS-Defesa faz parte de um projeto estratégico e mais amplo do Ministério da Defesa, que deverá atender todas as Forças Armadas.

Em meados do mesmo ano, o CPqD assinou um contrato com o Comando da Aeronáutica visando dar suporte ao projeto de evolução do sistema de comunicações do controle do tráfego aéreo brasileiro - sob a coordenação da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA). 

Como parte desse projeto, foi inaugurado, em outubro do passado, o Laboratório de Qualificação de Sistemas para o Controle do Espaço Aéreo (LQCEA). 

Montado nas instalações do CPqD, em Campinas, o LQCEA permitirá que novos equipamentos, tecnologias e sistemas sejam testados e validados antes de serem inseridos no Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro.

O selo EED é concedido a companhias que investem desenvolvimento nacional de produtos considerados estratégicos pelos militares brasileiros e garante redução das alíquotas de IPI, PIS/Pasep e Cofins para os selecionados.

O primeiro grupo de 26 seleciodas foi divulgado no final de 2013 e incluia empresas do setor de TIC como Axur e Dígitro, gigantes como Embraer e Forjas Taurus.