Twitter na busca de recuperação. Foto: reprodução.

A rede social - ou microblog, como alguns chamam - Twitter anunciou perdas de US$ 645 milhões em sua operação em 2013, assim como um percentual de crescimento abaixo do esperado pelo mercado.

Mesmo com o prejuízo, a rede social registrou uma reação em sua receita, chegando a US$ 665 milhões, um aumento de 110% em relação a 2012. Os resultados foram publicados pouco mais de três meses após o IPO da empresa em Wall Street.

Muito investidores do Twitter ainda tem receios quanto ao potencial de crescimento de usuários da plataforma. No último trimestre do ano, a empresa contabilizou 241 milhões de usuários ativos mensais, um crescimento de apenas 3,8% sobre o trimestre anterior.

Segundo dados da BBC, o aumento na base de clientes no último trimestre do ano foi um retrocesso aos percentuais do começo do ano, que ficaram na casa dos 10%. Visualizações da timeline também caíram, com um revés de 7%.

Os números pouco favoráveis tiveram um efeito imediato na bolsa de valores, onde as ações do Twitter caíram 12% na quarta-feira, 06, e aumentaram as suspeitas sobre o futuro da plataforma.

"O que este relatório vai fazer é questionar o quão popular é o Twitter como plataforma", afirmou Arvind Bhatia, analista da consultoria internacional Sterne, Agee & Leach.

Para Nate Elliott, especialista da Forrester, o Twitter ainda luta para manter uma base engajada de usuários, algo essencial para levar seu negócio adiante.

Para reagir, a rede social aposta em formas otimizadas de gerar receita e atrair usuários e anunciantes em potencial, com timelines customizadas, parcerias com canais de TV e recursos de mensageria em imagem e vídeo, como foi o caso do Vine.

Mais de 90% da receita do Twitter no último quarto do ano foi de publicidade, com posts programados para aparecer na timeline dos usuários. 75% desta receita em propaganda está no mobile.