Siegried Koelln, diretor da SKA.

A SKA, empresa de soluções para manufatura sediada em São Leopoldo, fechou 2013 com um faturamento de R$ 32 milhões, alta de 28% frente aos números do ano anterior.

Com o resultado, a empresa está em linha com os planos de chegar aos R$ 50 milhões de faturamento até 2015, o que significaria dobrar obtido em 2012.

O crescimento futuro deve vir de novas áreas de negócios como impressão 3D – a SKA representa a  Stratasys no Brasil – de novos softwares de companhias como a Altium, multinacional australiana especializada em software para design de eletroeletrônicos além da linha SolidWorks, que é um dos carros chefes da empresa.

“As novas ofertas que eles estão lançando, como o Mechanical Conceptual caem como uma luva para uma revenda que tem um business saudável como o nosso”, resume Siegried Koelln, diretor da SKA.

O Mechanical Conceptual, primeira oferta da SolidWorks baseada na nuvem e no modelo de assinaturas mensais, é um software focado nas fases iniciais do design de máquinas e é uma das apostas da multinacional de CAD, que já preparada mais lançamentos do gênero.

Na avaliação de Koelln, o software deve exigir um esforço de venda similar ao das soluções  tradicionais de CAD, com a diferença que a remuneração vem em doses homeopáticas e não numa tacada só com as licenças, canais de maior porte estão numa posição melhor para aproveitar a oportunidade.

O portfólio da SKA inclui produtos líderes em seus segmentos, como Stratasys, Objet, SolidWorks, Edgecam, VISI, Machining Strategist, Lantek, além de serviços de treinamento, suporte, consultoria, implantação e integração CAD e PDM com sistemas ERP. 

A empresa tem 120 colaboradores e seis escritórios no Brasil. 

* Maurício Renner cobriu o SolidWorks World 2014 a convite da SolidWorks.