PagCom quer ampliar número de usuários. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Investindo no mercado de pagamentos móveis no Brasil, a startup PagCom quer firmar a sua ferramenta de m-payment em 2013. O plano é terminar o ano com cerca de 3 milhões de clientes usando a solução.

Criada pelos empresários Caio Davidoff, Gabriel Abdalla e Thomas Farah, a startup foca nos serviços agregados com foco no aumento da promoção e facilidade do recebimento do pagamento em campo.

Pensando em atender esses profissionais que não contam com um local fixo de trabalho, foi criado o I-SW e I-SX, aparelhos que transformam o smartphone ou tablet em uma máquina leitora de cartões de crédito e débito.

Segundo destaca a companhia, os equipamentos operam em conformidade com as normas brasileiras de segurança e certificação, aceitando bandeiras tradicionais como Visa, MasterCard, American Express e Diners Club International, entre outras private label, como o Peela.

COMO FUNCIONA

Para solicitar o produto, o profissional deve entrar no site da PagCom e preencher o cadastro. Após esse procedimento, a pessoa deve pagar uma taxa de filiação de R$ 9,90 para receber o produto em casa.

Para utilizar o aparelho é preciso baixar o aplicativo da PagCom, disponível para dispositivos com Android e iOS, fazer o login com nome e senha, digitar o valor da venda e passar o cartão no leitor acoplado ao aparelho para captura dos dados do cartão.

O cliente deve digitar o código de segurança e o CPF para concluir o pagamento, então será enviado um comprovante da transação por SMS, e-mail, ou papel, usando uma mini-impressora.

Durante todo o período de uso, o aparelho pertence ao cliente PagCom que tem a opção de utilização gratuita sem leitor ou paga com mensalidades de até R$ 16,90 por mês.

As taxas de uso também sofrem uma variação de 3,75% a 7%, podendo ser negociadas de acordo com o faturamento da empresa ou prestador de serviços.

IDEIA

A ideia para a solução partiu de uma viagem dos três sócios aos Estados Unidos, onde conheceram de perto a tecnologia, que já é uma prática em adoção por um grande número de comerciantes informais.

O aparelho do PagCom é semelhante ao usado por empresas norte-americanas como a Square e o Paypal, destaca Davidoff, que possui formação em administração de empresas pela FAAP e tem passagens por projetos de tecnologia e e-commerce.

Em 2012 os sócios estudaram a nova tecnologia e desenvolveram o projeto do PagCom, auxiliados por parceiros nacionais e internacionais.

PANORAMA E EXPANSÃO

De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), 75% dos brasileiros possuem algum tipo de cartão de pagamento.

Ainda segundo a instituição, as transações com cartões de crédito e de débito tiveram um aumento de 16,8% em 2011.

Com este cenário em mente, a expectativa da PagCom  é alcançar três milhões de usuários até o final de 2013.

Para isso a empresa vem investindo em parcerias com associações, cooperativas de Táxi, consultores de venda porta a porta, distribuidoras de gás para residências, entre outras.

“Queremos capacitar o profissional móvel a melhorar seu dia a dia alcançando bons resultados de venda e seguindo todas as medidas de proteção de dados, além do crescimento contínuo do profissional”, diz Caio Davidoff.