A IBM investiu US$ 1 bilhão no Watson. Foto: JuliusKielaitis/Shutterstock.com.

A IBM abriu a versão beta do Watson Analytics para profissionais do mundo todo. A ferramenta baseada na nuvem é oferecida como um serviço freemium em inglês.

O Watson é um serviço de computação cognitiva que fornece acesso instantâneo às ferramentas que analisam dados de negócios e permite a visualização de importantes insights para as empresas.

Segundo a IBM, desde que foi anunciada, em setembro, a ferramenta recebeu mais de 22 mil inscrições para o beta.

O Watson Analytics permitirá que os usuários façam upload de seus dados e explorem as informações digitando perguntas em inglês.

O serviço racionaliza e simplifica o que é tipicamente um processo complicado, diz a IBM, o fazendo automaticamente correlações interessantes dentro dos dados carregados. Ele também sugere etapas de limpeza de dados e as melhores abordagens de visualização de dados para usar em vários cenários de análise.

O Bradesco, o segundo maior banco do Brasil, é o primeiro cliente no país da plataforma, junto com um grupo pioneiros em todo mundo, a maioria bancos, incluindo também o mexicano Banorte, a financeira sul africana MMI, a espanhola Caixa, a multinacional francesa de farmacéutica Sanofi, entre outros.

A aspiração final é fazer o Watson o equivalente a um sistema operacional para software que consegue trabalhar com grandes volumes de dados e oferecer hipóteses com as quais os clientes possam trabalhar.

Um dos cases mais avançados é o do Memorial Sloan Kettering, um hospital de ponta no tratamento de câncer nos Estados Unidos, no qual os médicos pesquisam através do Watson em um banco de dados aberto de milhares de jornais acadêmicos e pesquisas científicas para compor o seu tratamento.

A meta da IBM é envolver mais parceiros que possam criar soluções específicas. A divisão Watson, lançada com um grau de autonomia inédito na organização, já somou 100 parceiros desde o começo do ano (nenhum deles na América Latina).

Do US$ 1 bilhão investido pela multinacional na iniciativa, 10% foram para fomentar esse ecossistema.

A IBM engrenou uma série de trimestres com resultados ruins, incluindo o último, quando as vendas de US$ 22,4 bilhões geraram lucro de US$ 3,5 bilhões, uma queda de 17%.

A área de business analytics, no entanto, teve incremento de receita de 8%, com 50% nas vendas de cloud e a de mobilidade mais de 100%.