Fernando Peixoto e Roberto Ribeiro da Cruz. Foto: Divulgação/PMS.

A Pixeon e a Medical Systems acabam de se fusionar em uma empresa de TI para o segmento de saúde que já nasce com uma carteira de mais de 1,2 mil clientes no Brasil, Argentina e Chile.

A nova empresa, batizada de Pixeon Medical Systems, é fruto de uma segunda rodada de investimentos da Intel Capital na Pixeon, que tem sede em Florianópolis e em dezembro de 2011 já havia recebido aporte do braço investidor da fabricante de chips.

Com a participação, então minoritária, na companhia catarinense especialista em PACS (sigla em inglês para Sistema de Gestão de Imagens Médicas), a Intel entrou no mercado de TI para saúde na América Latina.

Na época, David Thomas, diretor Executivo da Intel Capital para a região, declarou que a tecnologia da Pixeon tem em aberto um mercado de mais de 14,5 mil hospitais e clínicas no Brasil.

Já a Medical Systems é de São Bernardo do Campo e, segundo dados próprios, tem a maior base instalada no país de ERP com foco em centros de medicina diagnóstica (RIS, da sigla em inglês para Sistema de Informação Radiológica) e LIS (Sistema de Informação Laboratorial).

Juntas, as empresas reúnem um portfólio de soluções para centros, clínicas e laboratórios de medicina diagnóstica, somando um time de 150 funcionários.

Roberto Ribeiro da Cruz, antigo CEO da Medical Systems, assume como CEO da nova companhia, e Fernando Peixoto, ex-CEO da Pixeon, passa a atuar como presidente do conselho e diretor de P&D – área na qual atua 30% da equipe da empresa.

Segundo Peixoto, a empresa já conta com mais de R$ 3 milhões captados em projetos de P&D, com recursos não reembolsáveis, principalmente do Governo Federal.

“Iremos intensificar parcerias com universidades e instituições de pesquisa”, explica ele, destacando que, em 2013, a expectativa é ofertar soluções via web, em cloud computing e mobilidade.

Os demais sócios das duas companhias também continuam à frente do negócio: Rodolfo Sini Ruiz (Medical Systems) como diretor Comercial e Iomani Engelmann (Pixeon) como diretor de Marketing.

Da parte da Intel, Alexandre Villela será o diretor de Investimentos responsável pela Pixeon Medical Systems.

O processo de integração dos negócios será coordenado por Cláudia Goulart, ex-CEO da GE Healthcare na América Latina, empresa que entre 2010 e 2011 investiu mais de US$ 500 milhões na região, onde estabeleceu um pólo de desenvolvimento de soluções para saúde e firmou joint venture com a Microsoft para o segmento.

Na fusão de Pixeon e Medical Systems, as projeções são promissoras: só a primeira registrou crescimento de 120% no primeiro semestre de 2012, em relação ao ano anterior, e foi apontada por pesquisa da consultoria Frost & Sullivan como a empresa do ano em PACS.

“Nos últimos anos, percebemos uma desnacionalização desta indústria com o avanço das multinacionais. A Pixeon Medical Systems faz o movimento contrário, avançando a oferta de suas soluções para países latino-americanos", aponta Cláudia.

Conforme a coordenadora, a nova emrpsea passa a ser a única com operações de pesquisa em software para medicina diagnóstica 100% radicada no país.

TI CHEIA DE SAÚDE EM SC
Os investimentos na Pixeon dão uma mostra de como Santa Catarina tem se destacado na tecnologia para o setor de saúde.

Em junho deste ano, a catarinense Manager Systems foi adquirida pela 7 Medical Systems, do segmento de gestão sob demanda de imagem digital, registros médicos eletrônicos e soluções para o gerenciamento de serviços médico.

A negociação, cujos valores não foram revelados, foi a quarta grande movimentação no ramo da TI e saúde no estado em pouco mais de um ano, seguindo uma esteira na qual já vinham Intel, Philips, com compras; e Siemens, com investimento de R$ 50 milhões em uma fábrica da divisão Healthcare em Joinville.

O anúncio da Siemens foi feito em maio deste ano, com meta de iniciar atividades na nova unidade ainda em 2012, com capacidade de até 300 equipamentos de tomografia e afins por ano.

Nos casos da Philips, a atração em Santa Catarina foi a Wheb Sistemas, de Blumenau, que a companhia comprou no começo do ano passado.

A adquirida é focada em ERP para a saúde e, segundo declarou à época da compra o CEO da Philips Healthcare, Steve Rusckowski, será o “combustível do crescimento na região nos próximos anos”.