Felipe Matos.

Felipe Matos está saindo definitivamente da Startup Farm, aceleradora que fundou em 2011 e hoje é uma das maiores do país.

Matos estava afastado das atividades diárias desde abril de 2017 e agora está saindo também da sociedade e do conselho da empresa.

O profissional liderou a Startup Farm por um período curto, entre a fundação e o final de 2012, quando deixou a mesma para assumir o comando do programa Startup Brasil do governo federal.

Lançado pela então presidente Dilma Rousseff, o Startup Brasil teve 183 startups apoiadas em quatro turmas nos anos de 2013 e 2014, com aportes de fundo perdido de R$ 200 mil, em um programa feito em conjunto com as maiores aceleradoras do país.

No final de 2014, o Startup Brasil entrou em um limbo de falta de verbas do qual só veio a sair recentemente.  Matos então voltou para o Startup Farm, onde foi head de Ecossistemas entre maio de 2015 e abril de 2017.

O comando da empresa foi durante todo o período de Alan Leite, que entrou como CEO em 2013, vindo de uma função de consultor na Falconi, uma das consultorias empresariais mais prestigiadas do país.

A Startup Farm já realizou 24 edições do seu programa de aceleração, totalizando 280 startups.

Matos tem um novo projeto, batizado de 10K Startups, uma “plataforma de educação e apoio ao empreendedorismo” que é um desdobramento do livro de mesmo nome, do qual ainda não revelou maiores detalhes.

As aceleradoras são um fenômeno recente no Brasil, com a primeira abrindo as portas em 2005. Até 2012, o ritmo foi lento, com poucas abertas: 1 em 2007 e 2009, 4 em 2011, 5 em 2012. O ritmo decolou em 2013, quando foram abertas 7, e em 2014, quando foram abertas outras 8.

De lá para cá, no entanto, não há notícia de aberturas de novas aceleradoras e inclusive algumas das operações menos capitalizadas já começaram a fechar as portas, em meio a crise econômica.