BRF quer acompanhar o crescimento do frango mais de perto. Foto: Pexels.

A BRF criou um aplicativo para facilitar a troca de informações com os produtores integrados, como conhecidos no jargão do agronegócio os donos das propriedades rurais que criam as aves, suínos e perus compradas posteriormente pela companhia.

Até o momento 7,3 mil dos quase 10 mil integrados da BRF já estão usando a novidade, com a meta de chegar a 100% de cobertura até o final do ano.

O app foi desenvolvido por um time interno da BRF, combinando pessoas da área de TI com áreas de negócio, e oferece para os produtores informações como previsão de abate, programação de ração e previsões de remuneração.

Além disso, a ferramenta contribui com treinamentos para dar continuidade ao processo de educação continuada dos integrados.

A BRF recebe informações sobre o peso das aves, status do lote e acompanhamento de sanidade dos animais. 

Algumas dessas informações, como mortalidade diária e medicações usadas nos lotes são enviadas diretamente para os sistemas corporativos da BRF, o SAP na área de gestão e o Mtech, um sistema especialista para produção de aves e suínos.

Anteriormente, o fluxo de informações era feito de forma manual e a comunicação passava pelo extensionista, um intermediário que atuava para que as informações chegassem às diferentes unidades da BRF pelo país e depois aos seus respectivos produtores integrados. 

“O app contribui para a cadeia, já que os dados inseridos na plataforma beneficiam a todos, com previsibilidade que ajudará na tomada de decisões” conta Guilherme Brandt, diretor CIEX de agropecuária da BRF.

Dona de marcas como Sadia e Perdigão, a BRF é uma das maiores do seu segmento no país, com uma receita líquida de R$ 33,447 bilhões em 2019, o que representa um crescimento de 10,8% em relação aos doze meses de 2018.