Marcelo Souccar.

A Totvs, maior empresa brasileira de software de gestão, decidiu entrar no mercado americano, provavelmente o mais disputado do mundo, com uma operação baseada na Flórida.

A companhia acaba de abrir um escritório em Weston, um subúrbio afluente de Miami, onde já estão sediadas empresas como DHL, Marriott International, Mondelez e LATAM, além da Ultimate Software, uma empresa americana de soluções de RH na nuvem com mais de 1 mil funcionários.

A operação americana da Totvs vai focar em alguns nichos, com softwares oferecidos como serviço a partir de data center locais.

As áreas alvo são manufatura, na qual a Totvs acredita ter o diferencial de fazer uma integração mais fáceis com matrizes situadas na América Latina e jurídico, um grande mercado potencial (só a Flórida tem mais advogados que São Paulo e Rio de Janeiro juntos).

A localização e tradução dos softwares foram realizadas no centro de desenvolvimento da companhia em Querétaro, no México, e já estão 100% concluídas. Três pilotos já estão em curso.

“Ir para os Estados Unidos é um desejo antigo, mas estávamos avaliando as oportunidades e aguardando o melhor momento para isso”, afirma Álvaro Cysneiros, head de Mercado Internacional da Totvs.

A operação americana será comandada por Marcelo Souccar, há nove anos na Totvs, e, importante, com experiência com o software para a área jurídica.

Para projetar a entrada no mercado americano, a Totvs contratou a Drummond Advisors, uma consultoria especializada em levar empresas brasileiras para os Estados Unidos, além da Apex-Brasil, agência de promoção de exportações ligadas ao governo.

A Totvs não é uma novata total no mercado americano. Em 2011, a empresa abriu um centro de pesquisa e desenvolvimento no Vale do Silício, na Califórnia.

Em 2013, a companhia colocou US$ 16 milhões na GoodData, empresa provedora de aplicativos e plataforma analytics de Big Data em nuvem, baseada em São Francisco, através do Totvs Ventures, o seu fundo de investimentos.

O posicionamento da Totvs nos Estados Unidos, no entanto, era mais focado em desenvolver e trazer tecnologia para o mercado brasileiro, onde a Totvs é líder. Entrar no mercado americano em si é um jogada totalmente diferente.

Além de enfrentar grandes players como Oracle, SAP e Microsoft, a Totvs precisará competir com companhias nascidas na nuvem como a NetSuite (adquirida pela Oracle por US$ 9 bilhões) e outras.

A alta gestão da Totvs reconhece que ser uma empresa mais internacional é fundamental para o futuro da organização. Mas é uma escalada difícil. 

Em 2014, a companhia inclusive informou a investidores que havia desistido da sua meta de ter vendas fora do país representando entre 3% e 5% da receita até o final de 2016

A Totvs fechou o ano passado com uma receita líquida total de R$ 2,2 bilhões, redução de 3,5% sobre 2015.