Anderson Benetti, gerente de Produto de Logística com atuação corporativa da Senior. Foto: Divulgação.

A Senior, especializada em sistemas para gestão empresarial, contratou Gustavo Jota como seu novo gerente de Produto de Performance Corporativa e TI. A empresa também promoveu Anderson Benetti, que atuava como analista de negócios na área de Logística, para gerente de Produto de Logística com atuação corporativa.

Responsável pelas ofertas de performance corporativa, Jota atuará com soluções de mobilidade, BI, workflow e portal corporativo, criando uma camada de inteligência e produtividade conectada nativamente com o portfólio atual, composto por gestão empresarial, gestão de pessoas e gestão de acesso e segurança, como com produtos de terceiros.

O novo gerente ainda tem o desafio de migrar as tecnologias da Senior para computação em nuvem e big data.

Jota já atuou em empresas como CRE8 Brasil e TipoD Product Development. Ele é bacharel em design industrial e mestre em engenharia mecânica.

Já Anderson Benetti trabalha com o objetivo de intensificar a presença da Senior no segmento de logística de transporte, armazenagem e distribuição.

Na Senior, iniciou em 2012 como arquiteto de soluções e passou a analista de negócios em 2014. Antes, Benetti teve passagem por companhias como Benner Sistemas, Aniz Transportes e CoopertransCargas.

Com formação em tecnologia da informação, tem especialização em gerência de projetos de tecnologia da informação pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul).

Fundada em 1988 em Blumenau, a companhia possui 6 filiais (São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Pernambuco) e cerca de 100 canais de distribuição em todo o Brasil.

A Senior fechou o terceiro trimestre de 2015 com uma receita de R$ 58 milhões, superando em 29% o valor alcançado pelo grupo no mesmo período do ano anterior. Para 2015, foi divulgada uma meta de alta de 25% de faturamento, o que significaria um resultado de R$ 240 milhões.

A companhia não divulgou ainda o resultado anual, mas a meta está abaixo do resultado obtido no ano passado, quando a companhia cresceu 36% e é uma revisão para baixo dos 30% estabelecidos como objetivo no final de 2014.