TIM pronta para fatiar? Foto: flickr.com/photos/jennyfogarty

Se depender da Telefónica, Claro e Oi, a TIM Brasil poderá ser dividida entre as três operadoras. Rumores de mercado, uma operação estaria sendo coordenada entre as três companhia para uma oferta pela companhia.

Conforme divulgado nesta sexta-feira no jornal italiano Il Sole 24 Ore, a oferta está nas mãos do pelo banco BTG Pactual, em estágio avançado, e pode ocorrer já neste mês.

O plano aponta que, para a operadora espanhola, "fatiar" a operadoras nacional é a saída para resolver o impasse apresentado após a aquisição da Telco, consórcio que controla a Telecom Itália - dona da TIM - no ano passado.

Segundo dados do Teleco, a TIM conta atualmente com o segundo lugar no market share nacional de telefonia móvel com 26,99%, atrás apenas da própria Vivo, que tem 28,71%.

Com a compra, a Telefónica passou a contar com participação em duas operadoras no mercado nacional, algo não permitido pela Anatel. Por conta disso, a empresa avaliou diversas opções, como vender sua parte da TIM, ou dividir o controle acionário com as operadoras concorrentes.

Segundo o jornal italiano, a intenção é criar um veículo de investimento com seus dois principais concorrentes no mercado brasileiro para comprar a TIM Brasil, que se tornaria uma empresa separada.

De acordo com a publicação, o conselho da Telefónica se reunirá no começo da próxima semana para discutir o assunto.

Recentemente, o vice-presidente de assuntos institucionais da TIM Brasil, Marco Girasole, deu fortes declarações contra a divisão da TIM. "A TIM não é linguiça pra ser fatiada", disparou o executivo.

Ainda nesta sexta-feira, a Telecom Itália tratou de esfriar os rumores, divulgando uma nota para negar que esteja vendendo a TIM Brasil, ressaltando que a operadora é um ativo estratégico para o grupo.

Outra hipótese levantada com o impasse da TIM foi a venda da operadora para um novo player entrar no mercado. Um dos players sugeridos foi a europeia Vodafone, que aterrisou recentemente no país com por meio de MVNO com a Datora Mobile, que se tornará Vodafone Brasil.