Vieira da Cunha na Câmara dos Deputados. Foto: Zeca Ribeiro/ Câmara dos Deputados

O governador eleito José Ivo Sartori (PMDB) convidou Vieira da Cunha (PDT) para ser o secretário de Educação do seu novo governo.

A informação é da coluna de política da Zero Hora desta terça-feira, 02, assinada pela jornalista Rosane de Oliveira.

Uma eventual concretização de Vieira da Cunha poderia ser uma boa notícia para o setor de TI do Rio Grande do Sul.

Cunha e Ana Amélia Lemos (PP) foram os únicos candidatos a participar dos encontros promovidos pelo CETI com empresários e lideranças da área em agosto.

Em um encontro na sede do Seprorgs que não foi lá muito concorrido (Vieira nunca esteve na ponta das pesquisas e terminou o primeiro turno com 4,7% dos votos, liderando o pelotão dos pequenos) uma pauta importante da pauta girou em torno das demandas de formação de mão de obra do setor TI.

Os empresários presentes se queixaram sobre a dificuldade de emplacar programas profissionalizantes em TI na grade do ensino público e da visão restritiva da Secretaria de Educação em relação a uma maior aproximação com as demandas do mercado de trabalho.

Como qualquer político tarimbado faria nessa circunstância, Vieira afirmou que tomaria medidas caso eleito. De qualquer maneira, isso é melhor que nada para o setor.

Agora é aguardar para ver se Vieira efetivamente assume a secretaria. O processo de formação do novo governo, até agora conduzido em grande segredo, parece ter entrado na fase quente.

Depois da reunião, representantes do PDT disseram que o partido demanda três secretarias para ingressar no governo Sartori.

A nomeação de Vieira parece bem encaminhada. 

Os menos céticos podem pensar que o PDT sempre levantou entre suas causas a educação (Vieira falou um bom tempo sobre brizoletas e educação de turno único no encontro do Seprorgs).

Por outro lado, a expressividade da bancada do PDT, com sete representantes, um a menos que o PMDB de Sartori, indica aos de índole mais prática que o partido deve ser prestigiado.