Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Claro teve que antecipar um investimento de R$ 6,1 bilhões planejado para 2013, ampliando em 34% o seu orçamento original, para liberar as vendas de novas linhas de celuilares, suspensas pela Anatel no mês passado.

Com o acordo, a terceira maior tele o Brasil volta a atuar nos mercados de São Paulo, Santa Catarina e Sergipe.

Os valores constam em um Plano de Ação detalhado, com indicadores de qualidade, projeções de tráfego e investimentos em infraestrutura e tecnologia, entreghe à entidade reguladora.

 No documento, a operadora apresentou como irá manter a qualidade na rede, melhorar o atendimento e oferecer a capacidade necessária para atender a demanda durante a Copa do Mundo e as Olimpíadas no Brasil.

Entre as ações propostas pela Claro está a instalação de um cabo submarino que ligará o país até os Estados Unidos, passando pelo Rio de Janeiro e Fortaleza, o que deve permitir uma maior capacidade para serviços de dados e longa distância.

Segundo nota da Claro, a empresa já tinha atingindo as metas dos indicadores do SMP estabelecidas pela Anatel. No entanto, problemas pontuais na Central de Atendimento que responde por esses três estados levaram à interdição.

“A empresa inclusive já apresentou melhorias ainda no mês de junho nos índices de reclamação da Anatel”, assegura a Claro no comunicado.

No dia 18 de julho, a Anatel suspendeu a venda de novos chips pela Oi, TIM e Claro, respectivamente, em 19, cinco e três estados do Brasil.

 Na região Sul, a proibição atinge a TIM, no Paraná, a Claro, em Santa Catarina e a Oi, no Rio Grande do Sul. Os outros estados afetados são Sergipe e São Paulo (Claro); Amazonas, Amapá, Mato Grosso do Sul e Roraima (Oi); Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia e Tocantins (TIM).

A multa é de R$ 200 mil por dia de descumprimento. O motivo da medida é a má qualidade do serviço.

TIM e Oi continua sob restrição.