ECONOMIA

Governo autoriza corte de salário e redução da jornada

02/04/2020 09:40

Tesouro Nacional pagará uma compensação no valor do seguro-desemprego por até dois meses.

O pagamento da União para o empregado vai depender do tamanho da empresa. Foto: Pixabay.

Tamanho da fonte: -A+A

O Ministério da Economia divulgou a edição de uma Medida Provisória (MP) que autoriza o corte integral de salários e a redução das jornadas de trabalhadores durante a crise provocada pela covid-19. 

Chamado de Programa Emergencial de Manutenção de Emprego e Renda, a proposta vai permitir a suspensão dos contratos de trabalho por até 60 dias.

De acordo com o site Poder 360, os trabalhadores afetados receberão compensação do Tesouro Nacional, podendo chegar ao que ganhariam de seguro-desemprego se tivessem sido demitidos - entre R$ 1.045 e R$ 1.813.

O pagamento da União para o empregado vai depender do tamanho da empresa. 

Companhias com faturamento até R$ 4,8 milhões não precisam dar compensação ao trabalhador durante os dois meses e o governo custeia 100% do valor do seguro.

Nas empresas com faturamento superior a R$ 48 milhões, o empregador deverá arcar com, pelo menos, 30% do salário do funcionário enquanto o governo paga até 70% do valor do seguro-desemprego.

Essa pausa no contrato pode ser negociada entre o empregador e o funcionário, sem a participação de sindicatos.

Já a redução de jornada pode ser de 25%, 50% ou 70% para aqueles que ganham até três salários mínimos, valor que equivale a R$ 3.135.

Nestes casos, o empregador deve pagar ao trabalhador uma proporção do valor do seguro-desemprego equivalente ao percentual do corte de salário.

A medida pode durar três meses e as empresas também podem optar por percentuais menores de reduções de salário, aliados à redução da jornada de trabalho.

Para quem ganha entre R$ 3.135 e R$ 12.202, a redução pode ser até 25% por acordo entre o patrão e o funcionário. Para negociações de cortes superiores, o acordo precisa ser coletivo, intermediado por sindicatos.

Em um terceiro grupo, cujo salário é duas vezes o teto do INSS ou mais, o tamanho do corte poderá ser decidido em acordo individual, independentemente do percentual.

Como o auxílio é baseado no valor do seguro-desemprego, quanto maior for o salário do empregado, maior será a redução na renda.

De acordo com o site GauchaZH, a medida recebeu aval de Bolsonaro e será editada até esta quinta-feira, 2. 

Por se tratar de uma MP, a medida valerá imediatamente após a publicação e poderá ser adotada pelos empregadores. Caberá ao Congresso validar o texto.

Veja também

JOGO INFINITO
Mantendo o barco à tona em águas turbulentas

A certeza sobre o que você precisa para vencer não existe. 

TENDÊNCIA
Microsoft: todos eventos agora digitais?

De acordo com site americano, companhia planeja uma virada radical para 2021.

SALAS VAZIAS
WeWork oferece descontos de 50% para inquilinos

Na tentativa de obter receita durante a crise, empresa está buscando contratos de longo prazo.

VIDA DURA
Juízes do Ceará perdem gratificação por home office

Medida que aumentava os salários em 15% foi barrada pelo ministro Dias Toffoli.

EDUCAÇÃO
Oracle Academy tem evento on-line sobre cloud

Terceira edição brasileira do Virtual Student Day acontece no dia sete de abril.

OPS
General Heleno publica RG e CPF no Twitter

Internautas afirmam ter assinado Globoplay com os dados do ministro do GSI.

COVID-19
SENAI e indústrias consertam respiradores

Dez grandes empresas, maioria do setor automotivo, fazem parte da ação em 13 estados.

PRIORIDADES
LGPD deve ficar para 2021

Projeto de lei empurra início da vigência da lei de dados para agosto de 2021.

AÇÃO
Vivo e TIM mandam atendentes para casa

Operadoras conseguem executar virada de 100% do atendimento para home office.

GESTÃO
Dados são aliados em meio à crise do coronavírus

Quem interpretar a realidade e agir a partir de informações vai se sair melhor desse desafio.