Imagine dar uma volta em 2018 e descobrir que alguns setores da economia remuneram muito bem e oferecem ótima qualidade de vida a seus profissionais.

O que você poderia faria com essa informação quando voltasse ao presente? Sendo inteligente, você pegaria todas as suas energias e colocaria como foco ser um profissional dessa área.

Estudaria para dominá-la, faria um curso técnico, estagiaria na área com o objetivo de estar preparado para conquistar uma dessas vagas que viu no futuro e, com isso, realizar-se-ia profissionalmente.

Pena que a história de viajar no tempo é ficção, mas tenho uma excelente notícia. Através da minha experiência de 22 anos com educação profissional, aprendi a ler sinais que ajudam a prever o futuro.

E essas indicações mostram que a informática é a profissão do futuro. Mas você pode se perguntar se atualmente a TI (tecnologia da informação) já não é uma atividade de ponta.

Sim, eu responderia. Mas o que vemos hoje é apenas o começo da Era da Informação.

Nesse momento de pós-industrialização, a informação vale mais do que dinheiro. Por exemplo, se tivermos a informação que no próximo ano haverá uma estiagem na Califórnia, poderemos plantar mais soja e milho no Brasil, pois os preços irão subir. Invisto em ações de empresas que produzem grãos e ganharei muito dinheiro.

A informação vale hoje muito mais do que ouro e petróleo, pois com ela consigo achar o ouro e o petróleo. E o profissional de tecnologia da informação é a pessoa que sabe transformar dados aparentemente sem consistência em informação útil e precisa.

A expectativa para o setor de TI no Brasil é chegar em 2020 com 6,5% do PIB, para isso terá que incorporar até lá mais 750 mil profissionais.

Até o final deste ano, serão cerca de 213 mil vagas abertas sem ter pessoal formado para preenchê-las. Por isso, a principal alternativa são os cursos técnicos.

Com duração de 18 meses, o aluno já pode fazer estágio em empresas de TI e, em um ano e meio, ter uma profissão de técnico de informática, altamente disputada pelo mercado e com diploma reconhecido pelo MEC.

O futuro logo estará aqui e você não precisa de uma máquina do tempo para prevê-lo. O importante, agora que você sabe o futuro, é se qualificar para poder fazer parte dele e montar nesse cavalo encilhado que levará para o sucesso profissional e, consequentemente, para realização dos seus sonhos.

*Henrique Gerstner é Diretor de Educação do Grupo QI