Thierry P. Giraud, responsável pela operação da Sage XRT no Brasil.

Desde a crise de 2008, iniciada no mercado financeiro com a quebra do banco americano Lehman Brothers, o mundo vem passando por enormes dificuldades. Apesar da recente reação da economia dos Estados Unidos, após cerca de seis anos de problemas, a Europa ainda sofre com um baixo crescimento.

No Brasil, a economia está paralisada, prejudicada pelas dificuldades internas, menor demanda pelas commodities, principalmente da China, e falta de confiança dos investidores. Essas dificuldades acabam atingindo as empresas, tanto nacionais como estrangeiras, que são diretamente afetadas pelas ondas de choque de notícias negativas.

Diante desse quadro, o controle de riscos na gestão financeira passou a ser uma necessidade premente, para que as companhias, de todos os portes, possam garantir os seus negócios. Há vários instrumentos no mercado que permitem melhorar esse controle. 

Mas algumas dicas para uma boa gestão financeira de uma empresa, principalmente as pequenas e médias, que mais sofrem com esse cenário, merecem ser mencionadas, ainda mais em um momento em que a economia brasileira tenta reagir e retomar o crescimento.

Na gestão financeira das PMEs, é importante estabelecer procedimentos e controles internos visando melhorar os resultados e aumentar o valor patrimonial do investimento por meio da geração de lucro operacional. Essas providências permitem conhecer a saúde financeira da companhia, possibilitando melhorias e credenciando os executivos a tomar as decisões mais adequadas.

Os softwares e instrumentos no mercado possibilitam, entre outras vantagens, contabilizar os fatos que afetam a situação patrimonial do investimento, como compra, venda e estoques; criar e planejar e controlar o fluxo de caixa, principalmente no que se refere à entrada e saída de recursos e contas bancárias; definir um planejamento financeiro orçamentário, acompanhando e revisando sempre que necessário; estabelecer a retirada dos sócios; e conferir se todos os documentos estão devidamente controlados.

Nunca é demais lembrar que uma boa gestão financeira, principalmente do fluxo de caixa, é essencial para que a empresa possa centrar-se em seu core business, sem preocupações com o bom andamento de seus negócios. A administração correta de todos os procedimentos internos, com instrumentos corretos e profissionais especializados, fará com que as empresas se destaquem e estejam sempre à frente de suas concorrentes.

Com um mercado financeiro cada vez mais complexo, é imprescindível saber controlar os riscos. Ações mal orquestradas por vezes podem levar à situação de ameaça à continuidade dos negócios e invariavelmente resultam em perdas financeiras dramáticas, que afetam diretamente a operação e o valor de mercado das empresas. Um exemplo são as operações cambiais no Brasil, que, mal realizadas, podem levar companhias a perder muito dinheiro. Daí da importância de ter uma gestão financeira bem ajustada, com absoluto controle sobre seu caixa.

Se a crise mostra a importância de ferramentas para decisões ágeis, mesmo em cenário de estabilidade é fundamental operar a situação de caixa no curto, médio e longo prazo. Quando a crise mundial e o momento econômico brasileiro estiverem mais confortáveis, sem dúvida estarão mais bem preparadas para competir as empresas que se preocuparam com a gestão correta de seu fluxo financeiro.  

* Thierry P. Giraud, responsável pela operação da Sage XRT no Brasil.